Por ACésarVeiga

Imagem: Divulgação

Imagem: Divulgação

Li a seguinte “manchete” de jornal:
 
“Prisão em cidade gaúcha reacende debate sobre pessoas que alertam sobre as blitzes de trânsito”.
 
OBS 01: “blitz” é a abreviação da palavra alemã “Blitzkrieg”, que significa “guerra relâmpago”.
O plural alemão é “blitze”, mas usaremos o plural aportuguesado “blitzes”, que é uma expressão estrangeira já incorporada a nossa língua, no sentido figurado, para fazer referência a uma “batida policial repentina” que tem como objetivo combater qualquer tipo de ilegalidade.
 
Bem, mas ao ler o texto do periódico com mais detalhes,
no mesmo instante – feito bússola que encontra o seu norte -,
fiquei sabedor do acontecimento.
 
Em resumo, como provocadores de primeira linha,
moradores supostamente orientavam – através de meios eletrônicos -, outros condutores a desviarem de uma barreira conjunta organizada entre a Polícia Militar e a Fiscalização Municipal de Trânsito da respectiva cidade…
 
A barreira tinha como suposto objetivo, detectar preventivamente,
quem havia ingerido bebidas alcoólicas,
e estava a conduzir o veículo.

Todos já sabemos das consequências
em dirigir alcoolizado.
(sabem não é?!)
 
Logo,
acontecia uma simples rotina preventiva da fiscalização que como outro instrumento,
desejava amenizar aqueles produtos degenerados e decadentes da imprudência.
 
Os acusados flagrados
diziam ser inocentes…
 
Como não somos testemunhas ou juízes,
vamos nos deter simplesmente ao fato.
(este sim é muito grave)
 
É senso comum que o ato cometido, por aqueles que avisam posições de fiscalização,
é ilegal.
(caso os acusados sejam legalmente culpados é claro)
 
Essa “travessura cidadã”
claramente demonstra uma realidade bruta e sem cor,
da qual não podemos ser tolerantes.
(chega parecer ruim demais para ser verdadeiro – ou totalmente decepcionante -, e está ocorrendo)
 
Mas é difícil silenciar…
…mesmo que para isso tenha que queimar essas impurezas atitudinais – que já estão zarpando para a rotina -, com a chama do maçarico da “indignação”.
 
É de domínio público que existem quadrilhas especializadas em informar os locais das “blitzes”…
…e também que as redes sociais auxiliam conjuntamente este esquema…
(como intermediárias oficiais a se aprofundar neste delito)
 
E os “alertas criminosos” não se restringem a avisar motoristas supostamente alcoolizados,
eles ampliam seu leque para que marginais se beneficiem também da mesma informação,
para burlar a polícia.
(sem sombras de dúvidas um belo exemplo de sociedade “ignorante”)
 
E digo isto com profundo ressentimento,
pois temos ai uma ação desajuizada,
que indiretamente compõe a imagem de um número bem significativo de cidadãos…
 
Mas existem aqueles que permanecem na vigília social – aparentando comprometidos com seus deveres -,
mas perseverando na indiferença como “patetas”.
(peço desculpas ao “papai” Walt Disney).
 
Estamos sempre aprendendo,
mesmo com aqueles que nada fazem para ensinar…
(resta aqui, não me curvar a qualquer enfraquecimento do que penso)
 
Este é um tema fácil para principiantes,
e difícil demais para os inconformados.
 
Assim, devemos aprofundar a prática da “não imprudência” desejando que a ética faça parte da vida de cada cidadão, pois do contrário
é como se estivéssemos a caminhar,
para o “nada”.
(congelados na “omissão)
 
“Cadeia aos infratores!”…
(dirão alguns)
 
Mas será essa atitude a única e mais adequada?
 
Creio que a resposta não chega a ser tão agradável,
pois não é simplesmente a ação, mas sua origem e sua causa que devem ser consideradas como condição indesejável a ser aliviada.
 
Não devemos contribuir com silêncio, mas sim,
com nosso repudio e indignação.
 
Assim…
 
Vamos “delatar” os “delatores” , pois,
tudo que você não controla,
controla você.
  
Abraços… Se gostar, tecle em curtir e compartilhe com amigos.

*ACésarVeiga é consultor na área de educação para o trânsito em Porto Alegre-RS e escreve o blog Pergunta de Aluno.