WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia

ultimas noticias
ultimas noticias

link conquista

:: ‘Acidentes de trânsito’

Curso de Pericia em Acidentes de Trânsito em Campina Grande/PB

Press Release

Imagem: Divulgação

Imagem: Divulgação

A FENASDETRAN – Federação Nacional das Associações de DETRAN, em parceria com o Batalhão de Policiamento do Trânsito (BPTRAN/PB), realizará o Curso de Pericia em Acidentes de Trânsito – Investigação e Análise de Laudo Técnico, com o engenheiro mecânico Marcio Montesani, professor do curso de extensão em Reconstituição de Acidentes de Trânsito e do curso de Investigação de Acidentes de Trânsito Básico e Avançado ministrados na UNICAMP, nos dias 02 e 03 de setembro na cidade de Campina Grande/PB

O curso tem como objetivo apresentar técnicas de análise em perícia de acidentes de trânsito com abordagem de procedimentos básicos de investigação e levantamento de dados da cena do acidente, fotografia pericial e cálculos, levando a produção de provas mais elaboradas dos acidentes analisados, bem como identificar suas causas.

O que? Curso de Pericia em Acidentes de Trânsito – Investigação e Análise de Laudo Técnico

Quando? 02 e 03 de setembro

Onde? Rua Maria Vieira César, 135, Bairro Santo Antonio, Campina Grande/ PB

Informações e inscrições*? fenasdetran@fenadetran.com.br/ (71) 3272-1081 e 3116-2363

*Policiais e Agentes de Trânsito das Cidades de João Pessoa e Campina Grande com valor diferenciado na inscrição.

Brasil: Agentes de trânsito atuam como conciliadores nos acidentes sem vítimas

De acordo com juiz, objetivo é agilizar procedimentos acerca do trânsito e ajudar desafogar o Judiciário.

BLOG DIREITO DE IR E VIR

Imagem Ilustrativa

Imagem Ilustrativa

Uma parceria do Centro Judiciário de Solução de Conflitos e Cidadania (Cejusc Oeste) com a Secretaria de Mobilidade Urbana (Semob) de Mossoró permite que agentes de trânsito daquele município, atuem como mediadores e conciliadores de conflitos em casos de incidentes de trânsito sem vítimas, a informação é do site do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Norte.

O juiz José Herval Sampaio, coordenador do Cejusc, explica que esse é um modelo experimental com o objetivo de agilizar os procedimentos acerca do trânsito e ajudar a desafogar o Judiciário. O serviço vai beneficiar toda a população mossoroense, funciona 24 horas por dia e pode ser solicitado através do telefone 156. A expectativa é que sejam feitos entre cinco e 10 atendimentos diários.

Pioneirismo

O magistrado aponta que o serviço é pioneiro no país e deverá servir como modelo. “Mossoró é a primeira cidade do Brasil a ter agentes de trânsito realizando a função de conciliadores e mediadores. Em outros locais, temos o serviço de conciliação, mas é feito por pessoas ligadas a Justiça. Não tenho dúvidas que esse projeto vai servir de modelo para outros municípios. Vamos continuar capacitando os agentes e já em março nova turma vai participar do curso”, complementa.

Para possibilitar o projeto, os agentes de trânsito passaram por um curso de capacitação ministrado pelo Tribunal de Justiça do Rio Grande do Norte (TJRN). Além disso, também foi estruturado um veículo exclusivo para fazer as ações após acidentes. O atendimento por parte dos agentes deve acontecer no próprio local do acidente, onde deve ser firmado um acordo entre as partes envolvidas, posteriormente homologado judicialmente.

“Os agentes foram capacitados e estão aptos para desempenhar essa nova função. Esse serviço é ágil, inovador e pioneiro no Brasil. As pessoas que se envolverem em algum acidente poderão receber todo o atendimento necessário. Essa agilidade no processo é muito importante para aliviar a angústia dessas ocorrências”, destaca o prefeito Francisco José Júnior. Colaborou Luís Carlos Paulino.

Quais são os benefícios da implantação de velocidades seguras nas cidades?

Redução de 5% na velocidade média pode resultar em 30% menos acidentes fatais.

São Paulo amplia área de pedestres, pintando asfalto (Foto: Daniel Guimarães/ A2

Em São Paulo, CET testa ampliação da área de pedestres, pintando asfalto de azul.       (Foto: Daniel Guimarães/ A2 Fotografia)

As altas velocidades nas ruas das cidades matam. De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), mais de 1,2 milhão de pessoas em todo o mundo perdem a vida em acidentes de trânsito, anualmente. O Brasil é o 4º país com o maior número de óbitos. Os números alertam para tomadas de decisão e ações urgentes – entre elas, a redução do limite de velocidade em áreas urbanas. Este foi o tema de debate do Seminário “Impactos da Implantação de Velocidades Seguras em Cidades”, que aconteceu nesta terça (15) em São Paulo.

Velocidades mais baixas aumentam a possibilidade de condutores, pedestres e ciclistas verem uns aos outros e reagirem, evitando acidentes e reduzindo, assim, o número de mortos e feridos no trânsito. Uma redução de 5% na velocidade média dos veículos pode resultar em 30% menos acidentes fatais. Na Noruega, a redução do limite de velocidade de 60 km/h para 50 km/h em vias urbanas diminuiu em menos de 4 km/h a velocidade média do tráfego e promoveu uma redução de 45% nos acidentes fatais. No Brasil, São Paulo está reduzindo os limites de velocidade das vias marginais e arteriais e implementando o projeto Área 40 em locais com grande circulação de pedestres e ciclistas. Fonte: The City Fix Brasil.

270 mil pedestres morrem anualmente vítimas de atropelamento

Velocidade excessiva dos veículos e distração dos condutores e pedestres são os motivos mais recorrentes de acidentes.

Imagem Ilustrativa

Imagem Ilustrativa

Conseguir andar com segurança nas grandes cidades está cada vez mais difícil, pois, soma-se à violência de assaltos e furtos a qualquer hora do dia e da noite, a dificuldade de encontrar calçadas e travessias confortáveis e seguras. Segundo estudo da Organização Mundial de Saúde (OMS), mais de 270 mil pedestres morrem anualmente vítimas de acidentes. O número representa 22% dos 1,24 milhão de pessoas que morrem em acidentes de trânsito todos os anos.

A velocidade excessiva dos veículos e a distração de condutores e pedestres são os motivos mais recorrentes de atropelamento, além da falta de sinalização, baixa visibilidade noturna, obras na pista, entre outros fatores que podem potenciar as ocorrências. “Atropelamentos ocorrem com condutores e pedestres de diferentes perfis. Porém, condutores jovens e com pouco tempo de habilitação e pedestres idosos ou crianças ficam mais evidenciados nestas situações”, afirma Roberto Ghidini Júnior, engenheiro civil e fundador da ONG internacional Sociedad Peatonal.

:: LEIA MAIS »

90% dos acidentes são causados por falhas humanas

OBSERVATÓRIO destaca três principais motivações: os Fatores Humano, Veículo e Via.

Imagem Ilustrativa - Reprodução

Imagem Ilustrativa – Reprodução

De acordo com o ONSV (OBSERVATÓRIO Nacional de Segurança Viária), 90% dos acidentes ocorrem por falhas humanas – que podem envolver desde a desatenção dos condutores até o desrespeito à legislação. Os exemplos são claros: excesso de velocidade, uso do celular, falta de equipamentos de segurança como o cinto de segurança ou capacete, o uso de bebidas antes de dirigir ou até mesmo dirigir cansado. “Agir de forma preventiva e responsável, não tomando atitudes arriscadas como as citadas, é decisivo para reduzir acidentes”, alerta a ONG.

Para a entidade, apenas 5% dos acidentes têm motivação em falhas no veículo. E como as manutenções preventiva e corretiva são responsabilidades do condutor, até mesmos as falhas no veículo estão vinculadas ao fator humano.

Em 5% das ocorrências de acidentes, as causas estão associadas ao “Fator Via”. Neste caso, são problemas que envolvem estradas mal sinalizadas, mal projetadas ou mal conservadas. “As condições de onde se trafega podem induzir a acidentes como por exemplo a falta de passarelas que pode levar a atropelamentos, vias esburacadas e sem acostamentos induzir a acidentes”.

Vale destacar que os acidentes não ocorrem por acaso, por mais que a palavra queira traduzir esse sentido e os condutores queiram, muitas vezes, se eximirem da responsabilidade. “Mortes por acidentes são consideradas pela Organização Mundial de Saúde como mortes evitáveis”, lembra o OBSERVATÓRIO. Fonte: ONSV.

Bahia é 1ª em indenizações por morte nas Regiões Norte e Nordeste; 2ª posição é do Ceará

Maiores vítimas continuam sendo motociclistas, com aumento de 43% em relação a 2013.

Foto: Edilson Lima/ Ag. A TARDE

Foto: Edilson Lima/ Ag. A TARDE

A Bahia é o estado das regiões Norte e Nordeste com maior número de indenizações por morte no trânsito pagas pelo DPVAT (seguro de danos pessoais causados por veículos automotores de via terrestre). No Brasil, o estado tem a quinta maior quantidade.

No ano passado, foram 3.269 casos, com redução de 5% em comparação a 2013, quando foram registradas 3.452 ocorrências pagas. Em relação ao total de indenizações, o estado teve aumento de 36% neste mesmo período – de 22.678 em 2013 para 30.776 no ano passado. Os dados são do Anuário Estatístico 2014 do DPVAT, divulgado na última semana pela Seguradora Líder, que administra o seguro.

Todas as pessoas que sofreram acidentes de trânsito no Brasil têm o direito de solicitar  o benefício, sem necessidade de apuração da culpa, seja motorista, passageiro ou pedestre. O prazo para solicitação  é de até três anos, a contar da data do acidente, para casos de morte ou reembolso de despesas médicas (Dams). Para casos de invalidez permanente, este prazo tem início quando esta condição for confirmada.

:: LEIA MAIS »

Corolla ‘monta’ em Faser e motociclista sai ilesa de colisão, em cruzamento de Vitória da Conquista

Velocidade compatível, distância segura e atenção para situações de risco são comportamentos que evitam acidentes.

Pneu suspenso no ar (Foto: Clecio Soares/ Blog Transitar)

Pneu suspenso no ar (Foto: Clécio Soares/ Blog Transitar)

A imagem é impactante. No cruzamento das Avenidas Braulino Santos e São Luís, Bairro Candeias em Vitória da Conquista, um Toyota Corolla literalmente montou sobre uma Yamaha Faser, por volta das 11h45min deste sábado (10). De acordo com as testemunhas, a condutora da moto diminuiu a velocidade por conta do fluxo, no cruzamento, quando o condutor do automóvel veio e colidiu na traseira (repare que o assento foi destruído). Um dos pneus dianteiros chegou a ficar suspenso no ar, mesmo aquela sendo a parte mais pesada de um carro. A motociclista não sofreu nenhum ferimento e nem mesmo chegou a cair. Já o Corolla precisou ser guinchado do local, a ocorrência foi registrada pelos agentes do SIMTRANS.

Motociclista não se feriu. Corolla precisou ser guinchado (Foto: Clécio Soares/ Blog Transitar)

Motociclista não se feriu. Agentes do SIMTRANS registraram a ocorrência e removeram Corolla (Foto: Clécio Soares/ Blog Transitar)

Conduzir sempre vai exigir toda atenção, considerando que na “contramão” de veículos cada vez mais velozes, temos cruzamentos perigosos por toda parte. Se aproximar deles com velocidade compatível, manter distância segura do veículo a frente e atentar-se para eminentes situações de risco são comportamentos que precisamos cultivar. Colaborou Tiago Barros.

Bahia é estado com mais acidentes com motos em BRs

Gastos com acidentes chegam a R$ 40 bilhões anualmente no Brasil.

Imagem Ilustrativa

Imagem Ilustrativa

A Bahia lidera o ranking da Polícia Rodoviária Federal (PRF) de acidentes com motocicletas e motonetas nas rodovias federais em 2014. O estado registrou 1.791 ocorrências no ano passado, número 5% maior do que o registrado em 2013 (1.704), e ficou com o primeiro lugar da lista seguido por Pernambuco (1.540) e Ceará (1.035).

Já as internações geradas por acidentes de moto aumentaram 34% em um ano, apontou matéria do A Tarde. De acordo com o Sistema de Informações hospitalares do Ministério da Saúde (MS), foram realizadas 3.471 internações em 2014, maior número nos últimos três anos. Somente na Bahia, os acidentes com motos custaram R$ 5,9 milhões aos cofres públicos. O valor representa metade do investido em internações por acidentes de trânsito.

Em todo o país, segundo a Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia, os gastos com acidentes do tipo chegam a R$ 40 bilhões anualmente. Para o diretor-geral do Departamento Estadual de Trânsito (Detran-BA), Maurício Bacelar, os números refletem o crescimento da frota de veículos aliado à falta de qualificação para o trânsito. “O aumento da renda facilitou o acesso da população ao crédito e à compra de veículos, ao mesmo tempo em que estas pessoas não procuraram se qualificar para o tráfego”, opina.

Com informações do Bahia Notícias e Blitz Conquista.

Denatran lança nova campanha para redução de acidentes

Mobilizar a sociedade para um comportamento mais responsável no trânsito, é o objetivo  das ações que segundo as autoridades, serão de caráter permanente.

Portal do Trânsito

(Foto: Vanderson Ribeiro/ Blog Transitar)

Trânsito é questão de cidadania (Foto: Vanderson Ribeiro/ Blog Transitar)

O Ministério das Cidades e o Departamento Nacional de Trânsito – Denatran, lançaram neste domingo (7) a campanha de redução de acidentes no trânsito “Seja VOCÊ a mudança no Trânsito”.

Um dos objetivos da campanha é mobilizar toda a sociedade para refletir sobre a importância de um comportamento mais responsável no trânsito. O Governo Federal pretende sensibilizar e conscientizar toda a população sobre os altos índices de mortes e feridos em ruas e rodovias brasileiras.

A ação educativa reforça a ideia de que o trânsito é uma questão de cidadania. Com mudanças simples de atitude de todos os usuários do trânsito (motoristas, pedestres e ciclistas), como, por exemplo, não dirigir em alta velocidade, não beber antes de dirigir, não utilizar o celular no trânsito e respeitar a sinalização, pode diminuir o número alarmante de pessoas que perdem a vida em acidentes de trânsito.

As ações realizadas em conjunto pelo ministério e Denatran são uma resposta à resolução da Organização das Nações Unidas (ONU), que instituiu o período de 2011 a 2020 como a Década para a Redução das Mortes no Trânsito. Os países membros uniram esforços na redução de 50% no número de feridos e mortos no trânsito durante esse período.

Bahia: metade dos internados por acidentes são motociclistas

Simplesmente estarrecedor.

A Tarde/Blog da Resenha Geral
Blog Transitar

Infrações de trânsito são causa da maioria dos acidentes (Foto: Blog Transitar)

Os condutores de moto  representam a metade das internações por acidentes de trânsito no Sistema Único de Saúde (SUS) na Bahia. Consequentemente, as ocorrências com usuários de motocicletas são as que mais geram gastos com atendimentos em unidades de saúde ocasionados por ocorrências de trânsito no estado.

No ano passado, o custo foi de R$ 5,1 milhões, o que corresponde a cerca de 50% do total (R$ 10,3 milhões). No mesmo período, 5.073 usuários de motocicletas foram atendidos em unidades de saúde do Estado, segundo dados da Superintendência de Vigilância e Proteção da Saúde (Suvisa), vinculada à Secretaria da Saúde da Bahia (Sesab). Isso representa 49,4% do total de internações por ocorrências no trânsito (10.326 registros).

A situação preocupa autoridades de trânsito e de saúde do estaduais, além de especialistas e dos próprios motociclistas. Tanto que o secretário estadual da Saúde, Fábio Vilas-Boas, afirmou em discurso na Assembleia Legislativa que os hospitais do interior “viraram hospitais ortopédicos, por causa do  número crescente de acidentes com motos”.

Apesar disso, o número de internações de motociclistas diminuiu 9% em comparação com o ano anterior (5.576 casos). Nos últimos cinco anos, no entanto, aumentou 35%.

manual fiscalizacao transito

alto escola transito rapido

twitter
facebook

ultimas noticias
abril 2017
D S T Q Q S S
« mar    
 1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
30  
WebtivaHOSTING | webtiva.com . Webdesign da Bahia